Sistema de Monitorização Sem Fios de Águas Subterrâneas

As águas subterrâneas são normalmente originárias de águas pluviais que se infiltram no solo, sendo que outras fontes são rios e lagos. No entanto, a água também pode ser adicionada artificialmente através da infiltração utilizando lagoas de infiltração, trincheiras de recolha especiais ou poços de injeção, por exemplo.

Tal como acontece com água acima do solo, o fluxo de águas subterrâneas é influenciado pela gravidade e move-se na direção do declive mais íngreme, ou através das camadas de solo mais permeáveis. O movimento das águas subterrâneas é geralmente muito mais lento do que o fluxo de rios e ribeiros, no entanto, em alguns casos, ascende a apenas alguns metros por ano. Os fluxos de águas subterrâneas são impulsionados pelas forças de pressão criadas pelo peso da própria água, pelo que a força destas forças também determina os caudais.

As águas subterrâneas fazem parte do ciclo da água, pelo que o tempo que permanece no solo varia de menos de um ano a milhões de anos. Se o horizonte das águas subterrâneas penetrar na superfície terrestre, as águas subterrâneas serão libertadas em nascentes e fluem para águas superficiais. As águas subterrâneas mudam à medida que fluem sob a terra: se absorve dióxido de carbono, por exemplo, reage com minerais calcários subterrâneos, o que dificulta processo. Também é filtrado à medida que flui, levando à eliminação de microrganismos como bactérias e vírus ao longo do tempo.

Este tipo de águas está classificado como um recurso protegido na UE, onde é controlada pelas autoridades em estações de monitorização das águas subterrâneas. A utilização excessiva de fertilizantes e pesticidas na agricultura e as elevadas concentrações de poluentes em locais contaminados representam um perigo para a qualidade destas. Cerca de 300 milhões de pessoas em todo o mundo satisfazem as suas necessidades de água com águas subterrâneas.

Desde 2002, os satélites permitiram medições bruscas de aumentos e diminuição dos níveis das águas subterrâneas. Porque é tão importante, as águas subterrâneas precisam de ser monitorizadas com mais precisão, no entanto. Desde 2007, o Instituto Geológico Polaco tem usado colecionadores de dados KELLER DCX-22. No entanto, as medições efetuadas com estes têm de ser lidas no local, o que não é fácil com esta aplicação.

É por isso que uma combinação de sensores de nível 36XW e transmissores remotos GSM-2* têm sido usados no lugar dos madeireiros há vários anos. É uma solução perfeita para a recolha de dados totalmente automatizada em áreas remotas. Os instrumentos de medição são geralmente colocados em tubos especiais conhecidos como piezómetros. Graças à sua caixa em aço inoxidável, o GSM-2 é extremamente robusto e requer muito pouca energia –atributos que são ideais para as necessidades do cliente nesta área.

Existem atualmente 350 sistemas de monitorização das águas subterrâneas em funcionamento na Polónia. Estes armazenam as suas medições com a ajuda de módulos GSM-2 e encaminham dados sobre o nível da água e temperaturas diretamente para a estação de controlo principal e base de dados central localizada em Varsóvia. O módulo GSM-2 permite a transferência de dados através de GSM/GPRS utilizando SMS, FTP ou comunicação de e-mail. Os módulos armazenam também os dados recolhidos num tampão com capacidade para 57 ̓000 amostras, o que aumenta a segurança dos dados recolhidos. O barómetro instalado no interior dos módulos permite a utilização de um sensor de pressão absoluto livre e extremamente estável para a medição do nível da água.

Produtos Utilizados: